Cola adesiva é o melhor produto para fixação segura do material em diferentes superfícies.

Já foi a época em que a grama sintética era utilizada quase que exclusivamente em quadras de futebol indoor. Hoje em dia, é comum utilizar o material para fins de decoração de ambientes internos e externos de residências, áreas de lazer e escritórios – não apenas no chão, mas também em paredes. Com essa variedade de opções de uso, alguns cuidados são necessários para manter a qualidade estética e garantir uma boa resistência ao produto. 

O primeiro ponto de atenção diz respeito ao tipo de grama. Uma informação que talvez muitos não saibam é que existem vários tipos de gramas sintéticas encontradas no mercado, variando geralmente em relação ao tipo de fio utilizado e a altura. Alguns modelos são mais indicados para práticas esportivas, enquanto outros são recomendados para ambientes decorativos.

Os tipos de gramas sintéticas mais comuns são: fibrilada, crimp e fita plana. Há ainda o tipo bicolor, cujo aspecto se assemelha mais ao da grama natural. Já a altura pode variar entre 10 e 60 mm. Veja as características de cada uma delas.

ü  Fibrilada: é um tipo de grama que possui riscos em toda a extensão dos fios, o que deixa o aspecto mais aproximado ao de uma grama natural. Ideal para decoração e instalação em áreas externas.

ü  Crimp:  nesse tipo de grama os fios são retorcidos, o que deixa o aspecto mais compacto. É indicado para quadras de futebol ou espaços de lazer, pois esse formato do fio é mais difícil de ser arrancado da base com o uso.

ü  Fita Plana: já nesse modelo, os fios são lisos, sem riscos e mais largos que os demais, o que torna o aspecto mais artificial e um pouco mais confortável. Também é indicado para decoração.

 Ideias para usar a grama sintética na decoração

Como vimos anteriormente, a grama sintética deixou de ser instalada apenas em quadras de futebol e, hoje em dia, pode ser encontrada em diferentes ambientes.

Área externa da piscina: uma ideia interessante para deixar a área da piscina mais bonita e aconchegante é instalar a grama sintética. O produto tem longa durabilidade e baixo custo de manutenção, tornando-se uma boa alternativa para substituir o gramado natural (que acaba sujando a piscina) e também às demais opções de piso de cerâmica ou porcelanato, que deixam um ar mais frio ao ambiente.

Revestimento de decks: os decks têm sido cada vez mais requisitados em casas, apartamentos, condomínios e bares, e o quesito estético não pode faltar nesses ambientes. Por isso, a grama sintética pode trazer mais cor ao espaço, deixando-o limpo e confortável com mais praticidade.

Jardins verticais decorativos: algumas casas e escritórios têm aproveitado as paredes para dar um ar mais natural ao ambiente. Como nem sempre é possível a utilização de plantas verdadeiras, o gramado sintético pode trazer essa estética de natureza ao espaço, economizando tempo e custo que um jardim de verdade exige.

Playground e espaço kids: as gramas sintéticas também são boas soluções para condomínios que tenham playground e espaços kids, pois o material garante o conforto e segurança às crianças durante a brincadeira, evitando sujeira e proliferação de insetos que geralmente vivem em gramados de verdade.

Dicas para instalação da grama sintética

Para garantir a durabilidade e resistência da grama sintética, é essencial atentar-se ao processo de instalação do produto. Geralmente, ocorrem problemas relacionados à descolagem quando algum dos passos indicados são realizados incorretamente. Veja quais são:

ü  Identificação e preparação do solo: se você vai instalar a grama sintética no chão, é importante antes de tudo identificar o solo, se há deficiências, se há drenagem suficiente, se precisará de aterramento etc. Com isso, será possível dar início à preparação do solo, que basicamente é retirar toda a grama natural ou outras plantações existentes no local.

ü  Nivelamento e drenagem: depois de preparar o solo, é necessário nivelá-lo, pois a superfície precisa estar totalmente plana para que a instalação seja realizada de maneira eficaz. Nessa etapa, também é importante verificar se há drenagem, pois a grama sintética é 100% permeável, o que faz não acumular água em sua superfície. Caso não haja drenagem, a durabilidade da grama será menor.

ü  Compactar a superfície com areia ou pedra: após a instalação do sistema de drenagem, será necessário adicionar areia para construir a base, no entanto, se o chão for mais argiloso e a drenagem for mais restrita, é indicado colocar também pedra, formando uma sub-base.

Tudo isso é necessário para que possa ser possível compactar o solo, nivelando-o novamente e deixando o espaço pronto para a instalação do contrapiso.

ü  Contrapiso: como a base da grama sintética não pode ser instalada diretamente na terra ou areia, é necessário fazer um contrapiso simples. No entanto, é sempre importante ressaltar que o chão precisa ser o mais liso possível. Também é indicado verificar algumas recomendações de preparação do solo para cada tipo de grama.

ü  Colagem: assim como um carpete, a grama sintética precisa ficar 100% colada no chão (ou outra superfície) e de maneira uniforme. Qualquer deficiência na superfície pode ser um risco, dependendo da utilização – por exemplo, uma pessoa pode tropeçar e cair.

Nesse sentido, é importante destacar alguns pontos: aplicar a cola (espalhar a cola de maneira uniforme sobre as duas superfícies – chão e base da grama); utilizar o pincel (que garantirá essa uniformidade); respeitar o tempo de secagem (indicado na embalagem da cola); escolher o tipo de cola para aplicação (pois há diferentes colas adesivas no mercado, mas cada uma para uma finalidade específica).  

Tipo de cola indicada para esse uso

Após todos os cuidados com a preparação do solo para instalação da grama sintética, é hora de escolher a cola para sua fixação na superfície. Como a grama estará exposta às mais diversas condições climáticas e, geralmente, terá pessoas andando, correndo e exercendo todo tipo de força em cima dela, é fundamental que a cola ofereça alta resistência.

A Quimicolla Adesivos trabalha com a linha Quimifort, formada por adesivos à base de policloropreno (CR), que são excelência no quesito resistência, pois oferecem alto rendimento, versatilidade de aplicação e não necessitam de reativação do produto, ou seja, são fáceis de aplicar. Nessa linha de produtos, o mais indicado para colagem de gramas sintéticas é o adesivo 7013, que oferece boa resistência ao calor e à umidade, além da alta performance na colagem.

Para saber mais informações sobre esse e outros tipos de cola adesivas produzidas pela Quimicolla, confira o nosso catálogo de produtos